site-industries-cosmetiques Uma capa da revista Industries Cosmétiques
Descubra todos os inovações em perfumaria e cosmética.
Descubra o nosso relatório especial: Salvar o povo. Desfrutar o seu acesso direto!
Se preferir a edição em papel, subscreva a nossa revista
- publicidade -

Experiências in vitro sobre as células da pele e o envelhecimento cutâneo: entrevista com Catherine Grillon, investigadora do CNRS

Com o aumento da esperança de vida e os problemas ligados à poluição e ao ambiente, existe uma forte procura de produtos anti-envelhecimento, o que constitui atualmente uma questão fundamental para o sector da cosmética. Catherine Grillon, investigadora do Centre de Biophysique Moléculaire em biologia cutânea e microambiente, propõe-se familiarizar os profissionais da cosmética com as técnicas in vitro das células da pele. 

Porque é que a biologia das células da pele é uma área de investigação essencial para o sector dos cosméticos?

A biologia da pele evoluiu muito nos últimos anos: estamos mais aptos a identificar os mecanismos pelos quais a pele funciona e mantém o seu equilíbrio, bem como as causas das doenças da pele. Estes avanços permitem-nos explorar novas vias e encontrar novos princípios activos para produtos cosméticos mais adequados e eficazes.

Além disso, na sociedade atual, os consumidores estão cada vez mais atentos às provas científicas da eficácia dos produtos que compram, pelo que a indústria cosmética tem de ser capaz de fornecer essas provas científicas. Uma vez que a utilização de animais é totalmente proibida na indústria cosmética em França e na União Europeia desde 2013, foi necessário encontrar novas formas de avaliar a atividade e a segurança dos produtos cosméticos. A biologia celular respondeu a esta necessidade desenvolvendo diferentes modelos de pele in vitro, dos mais simples aos mais complexos, e novas técnicas para avaliar a atividade dos compostos in vitro.

Onde é que o seu percurso de investigação o levou?

A minha investigação centra-se principalmente no envelhecimento da pele e no estudo da oxigenação sobre as defesas antioxidantes da pele. 

Durante a minha tese, estudei os receptores das células da pele e comecei a desenvolver formas de direcionar especificamente estas células para fornecer ingredientes activos. Isto levou-me a olhar para o microambiente da pele e, mais especificamente, para a construção de modelos in vitro mais próximos da pele em condições fisiológicas. Interessava-me sobretudo a taxa de oxigenação da pele, que é muito baixa na epiderme. As duas principais características do envelhecimento cutâneo são a destruição da matriz extracelular, nomeadamente na derme, e o stress oxidativo provocado pelos radicais livres. O nível de oxigenação da pele é essencial para a formação destes radicais livres e, por conseguinte, para o envelhecimento cutâneo. 

Além disso, tendo participado em vários projectos de colaboração com empresas de cosméticos, apercebi-me rapidamente da importância de testar ingredientes activos em células da pele, para além dos testes em tubo, com enzimas ou moléculas isoladas. Trabalhar em células da pele para avaliar a atividade pró/antioxidante permite-nos, por exemplo, identificar compostos antioxidantes de ação direta, bem como indutores das defesas antioxidantes da célula. 

O que é que as pessoas que frequentam o seu curso podem esperar?

Formação Biologia celular da pele: aplicações cosméticas e farmacêuticas que proponho com CNRS Formação de Empresas é um curso de três dias que tem lugar no meu laboratório. Os participantes são apresentados a três tipos de experiências em células da pele para avaliar :

  • Possível citotoxicidade
  • Atividade pró/antioxidante
  • Produção de colagénio

Metade do tempo é consagrado à experimentação: os participantes efectuam todas as manipulações das três técnicas estudadas e analisam os seus resultados.

É também desenvolvida uma parte teórica com o objetivo de rever as diferentes técnicas existentes, definir os parâmetros importantes a ter em conta e os critérios de escolha, em função da experiência dos participantes e do equipamento a que têm acesso no seu laboratório. É reservado um tempo para aprofundar vários pontos, a pedido dos formandos.

No final do curso, os participantes são capazes de escolher as técnicas mais adequadas às suas necessidades, definir os parâmetros experimentais, efetuar a experiência e interpretar os resultados. Além disso, terão à sua disposição os contactos dos peritos envolvidos, que estarão à disposição caso encontrem dificuldades na aplicação destas técnicas.

Biologia celular da pele: aplicações cosméticas e farmacêuticasformação CNRS Formação de Empresasde 27 a 29 de março de 2023.

Créditos fotográficos:

Recursos externos
Sítio Web

Conteúdo patrocinado

site-industries-cosmetiques Um anúncio vibrante da Croda Beauty que apresenta um grande plano de flores cor de laranja com um efeito de fundo desfocado e o texto "Croda Beauty, ciência inteligente para melhorar a vida" inclui agora Phytess

Phytessence™ Osmanthus, o primeiro extrato botânico de geo-skincare da Croda Beauty

Descubra como este ingrediente natural inovador ajuda a pele a enfrentar melhor as alterações climáticas, nomeadamente os efeitos nocivos dos raios solares e do calor.
site-industries-cosmetiques Um indivíduo concentrado, com uma bata de laboratório, examina um pequeno frasco que contém uma substância cor-de-rosa, uma inovação cosmética pioneira que utiliza ingredientes naturais na Bretanha.

A inovação cosmética é natural na Bretanha

No noroeste de França, a Bretanha sempre foi uma região virada para o mar, com os seus 2.730 km de costa - a mais longa do país.

Artigos relacionados

A nossa última edição

Ouçam-nos!

Boletim informativo

pt_PTPortuguês